Artes Indígenas no Brasil

Sobre a CANOA

Quem somos

A CANOA é parceira dos povos indígenas no escoamento de suas artes. Entre comprar e vender geramos renda a estes povos e conectamos os não indígenas com a cultura dos povos originários no Brasil e suas causas.  

Depoimentos e parceiros

"São quase 15 anos que vendo bichinhos pra Nina, esta renda me ajuda muito pra comprar as coisas que eu preciso. É muito bom trabalhar com minha arte, na minha aldeia, poder cuidar dos meus filhos sem precisar ir muito pra cidade." - Inácio Mariano, Guarani Mbya da aldeia Itaxi em Paraty Mirim, Paraty, RJ.

"É necessário divulgar o patrimônio artístico ancestral da cultura para que o mundo conheça um pouco da nossa realidade e as práticas das operações e das rotinas dos povos indígenas... é uma honra ter este espaço de ciclo de interação de saberes tradicionais com a parceria com a CANOA que fortalece a cultura. Além disso sabemos que a renda da venda das artes é relevante para muitas famílias poderem comprar produtos básicos necessários para o dia a dia.” - Mayawari Mehinaku, professor graduado em línguas, artes literárias e artista em design estético, atualmente atua como presidente do Instituto de Arte Indígena Brasileira Xepi - Aldeia Kaupuna, Território Indígena Xingu, MT.

"Sou Ronaldo Mariano Rodrigues, trabalho com bichinho de madeira há mais de 20 anos, atualmente moro na aldeia Rio Bonito, Itamambuca - Ubatuba SP. Em Paraty encontrei a Loja Canoa que deu uma grande valorização na venda e, com isso, tive condições de viver da minha arte, por isso agradeço muito a Nina por essa parceria ha'evete (obrigado)!” - Ronaldo Mariano Rodrigues, Guarani, aldeia Rio Bonito, Itamambuca - Ubatuba, SP.

"A importância do artesanato: Para nós, povos indígenas, o artesanato representa as riquezas, conhecimento, pinturas, línguas, escrita e regras, onde cada objeto envolve muita sabedoria para ser confeccionado e não pode ser feito de qualquer maneira. É na natureza que encontramos os materiais necessários para expressar nossa cultura, por isso ela é tão importante. E também a valorização do nosso conhecimento em executar e passar adiante as habilidades de confecção do artesanato. Assim, produzimos nossa própria riqueza. Conheci a Nina no jogos dos povos indígenas em Tocantins e considero muito importante seguirmos trabalhando juntos e ajudando um ao outro.” - Reinaldo Okaraxowa Tapirapé, Aldeia Urubu Branco, município Confresa - MT.

"Meu nome é Pikyri Asurini, eu e as mulheres da minha comunidade gostamos de fazer nosso artesanato, porque além de vender para comprar o que precisamos , podemos também ensinar nossos filhos a fazerem artesanato e assim manter a nossa cultura de geração em geração.  A Nina tem nos ajudado a divulgar nossa cultura e contribuído para termos uma fonte de renda, nós gostamos muito de trabalharmos junto com ela." Pikyri Asurini, aldeia Ita'aka, Pará.

História

Ao longo dos últimos 20 anos a indigenista Nina Taterka teceu uma rede formada hoje por mais de 40 etnias, diversos parceiros, associações e instituições indígenas. O lugar de escuta e aprendizado é o fio condutor para esta história, partindo deste princípio, ano após ano, as antigas relações se fortaleceram enquanto novas parcerias surgiram. Com as relações humanas sustentando o modelo de negócio, uma pequena loja no centro histórico de Paraty se tornou um dos principais acervos de artes indígenas do Brasil, que através do seu e-commerce amplia sua conexão com o mundo.