Artes Indígenas no Brasil

DETALHE DO PRODUTO
Madeira: Fibra de buriti
Tamanho produto: 80 x 160 x 15 cm

Grande roda trançada de fibra de buriti figurando olhos, nariz e rosto pintado com tintas naturais. Possui franja volumosa ao redor de toda a roda com o intuito de esconder a pessoa que está dentro do disfarce. Atuxuwa (ou atujuá) é a denominação dada a máscara Mehinako que representa o espírito da árvore do Jatobá, responsável pelos ventos e redemoinhos. É uma peça sagrada, com uso ritualístico durante os períodos da seca ou para a cura de determinadas doenças presentes em algum membro do grupo. O Pajé enxerga a presença do espírito e, a partir disso, a máscara é produzida e preparada para o uso ritual. Essa é a representação da maior máscara, considerada a “chefe”. O uso ritualístico é feito pelos homens Mehinako que dançam vestidos com as máscaras, enquanto as mulheres assistem a demonstração e servem a comida. Após o ritual, as máscaras permanecem na aldeia por um ano até que é queimada, a fim de, libertar o espírito ali presente.

Os Mehinako vivem dentro do Parque Indígena do Xingu. Tem um sistema de comercialização, rituais, intercâmbios e intercasamentos bem definidos, o que os difere dos outros povos do parque, embora pelo convívio acabem assumindo características culturais um do outro.

Mehinako
Localização: Mato Grosso
População aproximada: 286 (Siasi/Sesae 2014)
Família Linguística: Aruak

MÁSCARA GRANDE DE BURITI - MEHINAKO

R$1.500,00
Esgotado
MÁSCARA GRANDE DE BURITI - MEHINAKO R$1.500,00

DETALHE DO PRODUTO
Madeira: Fibra de buriti
Tamanho produto: 80 x 160 x 15 cm

Grande roda trançada de fibra de buriti figurando olhos, nariz e rosto pintado com tintas naturais. Possui franja volumosa ao redor de toda a roda com o intuito de esconder a pessoa que está dentro do disfarce. Atuxuwa (ou atujuá) é a denominação dada a máscara Mehinako que representa o espírito da árvore do Jatobá, responsável pelos ventos e redemoinhos. É uma peça sagrada, com uso ritualístico durante os períodos da seca ou para a cura de determinadas doenças presentes em algum membro do grupo. O Pajé enxerga a presença do espírito e, a partir disso, a máscara é produzida e preparada para o uso ritual. Essa é a representação da maior máscara, considerada a “chefe”. O uso ritualístico é feito pelos homens Mehinako que dançam vestidos com as máscaras, enquanto as mulheres assistem a demonstração e servem a comida. Após o ritual, as máscaras permanecem na aldeia por um ano até que é queimada, a fim de, libertar o espírito ali presente.

Os Mehinako vivem dentro do Parque Indígena do Xingu. Tem um sistema de comercialização, rituais, intercâmbios e intercasamentos bem definidos, o que os difere dos outros povos do parque, embora pelo convívio acabem assumindo características culturais um do outro.

Mehinako
Localização: Mato Grosso
População aproximada: 286 (Siasi/Sesae 2014)
Família Linguística: Aruak