Artes Indígenas no Brasil
DETALHES DO PRODUTO
Material: Algodão 
Tamanho aproximado:  190 x 2 x 238 cm

Colcha de solteiro colorida tecida e bordada com algodão puro. Os pigmentos para os fios coloridos são extraídos de casca de árvores, de plantas e da terra. O algodão é cultivado e fiado no interior de Minas Gerais.
 
A tecelagem é uma importante manifestação cultural das mulheres das comunidades quilombolas de Roça Grande, Barra do Ribeirão, região de Berilo, MG. Dos processos desde o roçado até a tecelagem, são feitos por mutirões que envolvem toda família. São colchas, almofadas, tapetes, panôs, tecidos com algodão fiado pela própria comunidade. Os tons obtidos são devido à dois tipos de algodão: o arbóreo (cru) e o “ganga”, uma espécie rara que produz um tom mais para o caramelo, as outras cores vem de plantas da região como ururucum, jenipapo, angico, entre outras. Uma particularidade desse artesanato é a sobreposição de fios e os desenhos  em alto relevo que revelam temas do cotidiano da comunidade. Resistência e alegria fazem parte dessa história que é passada das artesãs mais velhas para as mais jovens, que vão continuidade à este exímio trabalho tão delicado e único desta região.  

COLCHA SOLTEIRO DE ALGODÃO PURO - MG

R$980,00 R$784,00
COLCHA SOLTEIRO DE ALGODÃO PURO - MG R$784,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

  • RETIRADA NA LOJA De segunda a sexta-feira, entre 10h e 16h. Endereço: Rua Tenente Francisco Antônio, 364 (Rua do Comércio), Centro Histórico, Paraty/RJ. Mais informações, 24 99326-1951.

    Grátis
DETALHES DO PRODUTO
Material: Algodão 
Tamanho aproximado:  190 x 2 x 238 cm

Colcha de solteiro colorida tecida e bordada com algodão puro. Os pigmentos para os fios coloridos são extraídos de casca de árvores, de plantas e da terra. O algodão é cultivado e fiado no interior de Minas Gerais.
 
A tecelagem é uma importante manifestação cultural das mulheres das comunidades quilombolas de Roça Grande, Barra do Ribeirão, região de Berilo, MG. Dos processos desde o roçado até a tecelagem, são feitos por mutirões que envolvem toda família. São colchas, almofadas, tapetes, panôs, tecidos com algodão fiado pela própria comunidade. Os tons obtidos são devido à dois tipos de algodão: o arbóreo (cru) e o “ganga”, uma espécie rara que produz um tom mais para o caramelo, as outras cores vem de plantas da região como ururucum, jenipapo, angico, entre outras. Uma particularidade desse artesanato é a sobreposição de fios e os desenhos  em alto relevo que revelam temas do cotidiano da comunidade. Resistência e alegria fazem parte dessa história que é passada das artesãs mais velhas para as mais jovens, que vão continuidade à este exímio trabalho tão delicado e único desta região.