Artes Indígenas no Brasil

DETALHES DO PRODUTO
Madeira: Piranheira
Tamanho produto:  39 x 41 x 68 cm
Peso: 17,5 kg

Banco retangular talhado sobre duas bases firmes num só bloco de madeira piranheira e grafismo pintado com tingimentos naturais.  Entre os indígenas, os bancos talhados em madeira destinam-se aos chefes, pajés e visitantes, sendo prerrogativa masculina. É também um objeto sagrado. Sentado, o pajé faz o contato com o mundo sobrenatural e junto a outros objetos sagrados, os bancos adquirem poderes próprios e são usados como verdadeiros veículos de transformação e transporte.

Os indígenas da etnia Kaiabi se autodenominam como Kawaiwete, são falantes da língua Kaiabi que pertence à família linguística tupi-guarani. Sua cultura material é muito rica, super elaborada e diversificada. Cestos, peneiras, tecelagem, adornos e utensílios de uso diário. Conhecidos como os ""bravios e indômitos"", os indígenas Kaiabi resistiram com muito esforço a invasão de suas terras pelas empresas seringalistas, muitos conflitos ocorreram, mas aos poucos o território foi sendo ocupado e os indígenas induzidos ao trabalho nos seringais. Hoje uma grande parcela dos Kaiabi vivem no Parque indígena do XIngu no Mato Grosso, mas essa não é sua terra de origem.

Kayabi
Localização: Xingu, Mato Grosso
População aproximada: 2242 (Siasi/Sesai, 2014)
Família linguística: Tupi-Guarani

Banco retangular com grafismo - Kayabi

Banco retangular com grafismo - Kayabi

DETALHES DO PRODUTO
Madeira: Piranheira
Tamanho produto:  39 x 41 x 68 cm
Peso: 17,5 kg

Banco retangular talhado sobre duas bases firmes num só bloco de madeira piranheira e grafismo pintado com tingimentos naturais.  Entre os indígenas, os bancos talhados em madeira destinam-se aos chefes, pajés e visitantes, sendo prerrogativa masculina. É também um objeto sagrado. Sentado, o pajé faz o contato com o mundo sobrenatural e junto a outros objetos sagrados, os bancos adquirem poderes próprios e são usados como verdadeiros veículos de transformação e transporte.

Os indígenas da etnia Kaiabi se autodenominam como Kawaiwete, são falantes da língua Kaiabi que pertence à família linguística tupi-guarani. Sua cultura material é muito rica, super elaborada e diversificada. Cestos, peneiras, tecelagem, adornos e utensílios de uso diário. Conhecidos como os ""bravios e indômitos"", os indígenas Kaiabi resistiram com muito esforço a invasão de suas terras pelas empresas seringalistas, muitos conflitos ocorreram, mas aos poucos o território foi sendo ocupado e os indígenas induzidos ao trabalho nos seringais. Hoje uma grande parcela dos Kaiabi vivem no Parque indígena do XIngu no Mato Grosso, mas essa não é sua terra de origem.

Kayabi
Localização: Xingu, Mato Grosso
População aproximada: 2242 (Siasi/Sesai, 2014)
Família linguística: Tupi-Guarani